Chuva é benção


    Amanheceu nublado, mas o sol deu as caras e quis dizer "olá". Havia poucas pessoas nas ruas. Quase nenhum movimento. Uma calmaria só.
     No ponto, o ônibus logo chegou e, para minha surpresa, estava vazio. Perfeito para refletir sobre a vida. Imaginei as coisas que eu poderia mudar e analisei cada uma delas, ansiosa para que tão logo pudesse praticá-las. Decidi que hoje não iria reclamar.
    Desci do ônibus, contente, e atravessei a avenida. De repente, a três quadras do meu trabalho, senti despencar sobre mim o que parecia um dilúvio, e eu estava sem guarda chuva. Meu cabelo molhou. Meu sapato encharcou. Um sorriso se abriu. O meu.

- Isso estava mesmo acontecendo?? 

    Confesso que na hora quis questionar, mas lembrei de quando era criança. Naquele tempo banho de chuva era o mesmo que dançar, ficar presa no terraço de casa vendo a chuva passar.. Isso sim era castigo de matar.
    E aí pensei:
"Deus é perfeito. Pensa em tudo mesmo. Numa cidade onde até o vento sopra ardendo, só uma chuva dessa para lavar o juízo rachado da gente, e refrescar a pele já fraca, castigada do sol".
- Então sorri. Sorri muito. E sorri alto. Porque chuva é coisa dos céus.

'Amanda Nascimento 


Surreal


     Minhas mãos percorreram sua face canto a canto, em busca de detalhes que só de longe conhecia, e tão raramente apreciava. Seu rosto é expressivo e pequeno. Seus lábios macios parecem nuvens - como se fossem feitos de algodão - e têm doçura forte e encorpada, melhor que iogurte com mel e cereal. Estar em seus braços foi como deitar num gramado fresco no meio do parque. Seus dedos, emaranhados em meus cabelos, formaram uma brisa suave, refrescando e trazendo o descanso dos justos. Suas mãos eram fortes, mas cuidadosas, e seguravam meu corpo, alternando entre um ponto e outro, como quem tem medo de deixar voar. Pude sentir a calmaria que inspira liberdade; me senti completamente segura. No final, um beijo afobado levou minutos de nossas vidas. Poucos ou muitos. Não sei ao certo. Perdi o fôlego e a noção do tempo.
     Acho que era domingo chuvoso, quando acordei decepcionada. O tempo parecia ter voado e ele já não estava ao meu lado. A princípio me questionei quanto à realidade dos fatos, era tudo que eu queria e esperava, mas algo dentro de mim dizia: Acorda! Tudo não passou de um sonho.

'Amanda Nascimento 

Guga




A gente aprende a amar, mesmo com todas as travessuras. E se acostuma a perdoar porque, na verdade, eles nunca crescem. A gente releva aquelas patadas que arrancam fiapos do couro, pois ficou óbvio que essa euforia é a alegria de nos ver chegar. A gente briga quando quebram algo, ou quando levam embora a comida da mesa, mas não temos coragem de dar um tapa sequer. Depois a gente esquece, e eles aprontam tudo de novo. E a gente esquece de novo. E nunca passa pela nossa cabeça que eles não são eternos. Nem de relance imaginamos que algo pode acontecer, e que, de repente, tudo vai virar silêncio e vamos perceber o quanto amávamos o barulho.

'Amanda Nascimento