Guga




A gente aprende a amar, mesmo com todas as travessuras. E se acostuma a perdoar porque, na verdade, eles nunca crescem. A gente releva aquelas patadas que arrancam fiapos do couro, pois ficou óbvio que essa euforia é a alegria de nos ver chegar. A gente briga quando quebram algo, ou quando levam embora a comida da mesa, mas não temos coragem de dar um tapa sequer. Depois a gente esquece, e eles aprontam tudo de novo. E a gente esquece de novo. E nunca passa pela nossa cabeça que eles não são eternos. Nem de relance imaginamos que algo pode acontecer, e que, de repente, tudo vai virar silêncio e vamos perceber o quanto amávamos o barulho.

'Amanda Nascimento

6 comentários: