Mudar

 
     Têm dias em que acordamos meio "revolts". Abusados disso ou daquilo. Não tem nada a ver com mau humor, nem impaciência. É quase inexplicável. Um desejo inesperado e incontrolável de experimentar o diferente. Vontade de ser outra pessoa por, pelo menos, um dia. De tentar algo novo. Não que eu siga à risca, ou tenha algum estilo definido, mas costumo ser a menininha dos sapatos de lacinho, com saias do tipo godê, de estampa floral ou cor de rosa. Só que hoje cansei. 

"Cansei de ter a mesma cara de sempre. Da maquiagem suave de todos os dias. De usar o cabelo arrumado. Das repetidas combinações de roupas, que mais parecem automáticas do que planejadas."
      Liguei para uma amiga da faculdade, desabafando minha insatisfação, e ela riu. Como diria minha irmã mais nova: foi triste. Até fiquei constrangida, mas disfarcei. Expliquei melhor a situação, e ela sabia exatamente o que fazer.

- Ótimo. Havia encontrado a pessoa certa. O oposto do que, comumente, sou. Usa jeans rasgados e um all star detonado, com camisetas compridas e mochila pendurada. 

     O resultado foi surpreendente. Talvez, engraçado. Não esperava me sentir tão bem. Não sabia o que esperar, na verdade. Também não imaginei que uma mudança, aparentemente superficial, seria tão significativa. Segui minha rotina, chocando todos à minha volta com a novidade. A principio, ninguém entendeu, só depois de algum tempo se acostumaram. - Previsível - .
     Amanhã, ao acordar, tudo voltará ao normal, porém não me arrependo. Foi interessante provar coisas novas. Gostei.


'Amanda Nascimento

Coisas da vida


     Me decepcionei com você, e o pior é que já esperava. Era meio óbvio, mas paguei para ver, e dei um voto de confiança a você. Na verdade, sempre soube que isso não daria certo, você era um problema evidente (e dos grandes). Sempre soube que não era o cara certo, e menti para mim mesma, querendo me convencer do contrário. Não funcionou como eu queria.
    Parece patético, e é, mas não me arrependo, só lamento minha ingenuidade. Creio que cada deslize foi válido, e serviu de aprendizado. Cada tropeço me fez mais forte e preparada. Uma amiga, do primeiro período da faculdade, me ensinou que ao decidirmos algo, devemos nos comprometer com as possíveis consequências. E é isso que estou fazendo, encarando as escolhas que fiz. Tentando não repeti-las. E se acontecer não tem problema. A gente tropeça mil vezes antes aprender a andar. Rala a perna, quebra cara, e depois de um tempo esquece. Lá na frente, quando volta à memória, a gente chora de tanto rir. Coisas da vida.
   É isso. Vesti uma roupa bonita, soltei o cabelo, abri aquele sorriso, e fui para o lugar onde tudo é mais seguro. A realidade.

'Amanda Nascimento