O concurso mais punk da minha vida


Em maio participei de um concurso no Instagram, que consumiu minhas energias de todas as formas possíveis. Foram dias de trabalho suado e noites sem dormir. Sempre com ajuda dos meus seguidores. Uma semana de surpresas e decepções. De um lado, pessoas que eu nem sabia que sentiam tanto carinho por mim. Do outro, "amigos" que eu não imaginava que me dariam as costas. Subestimei a mim mesma achando que apenas uma pequena fatia de João Pessoa acompanhava minhas loucuras diárias, mas a verdade é que tinha gente da Paraíba toda. Além de Pernambuco, São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e outros lugares que não tô lembrando agora. Também não fazia ideia de tanta gente que fingia afeto por mim. Algumas pessoas eu até suspeitava, mas outras me fizeram derramar algumas lágrimas de desgosto e tristeza. Para compensar, conheci pessoas novas e tão atenciosas. Essa foi a melhor parte. Me senti acolhida. Então tudo ficou bem. 

Sobre o concurso...
Eram nove participantes e apenas uma concorrente em potencial. Disputa acirrada. Não tive sossego um dia sequer. E não! Não era só para ganhar uma coleção de óculos de uma grande marca, inspirada numa grande blogger da minha cidade. O que estava em cheque era representar a marca que tem conquistado cada vez mais espaço e reconhecimento. Era conquistar o título que poderia me dar outras oportunidades enquanto blogueira e "digital influencer". Embora eu mesma ainda não me considere uma influenciadora no meio digital. 

Tudo ficou mais desgastante perto do fim do concurso, quando percebi que minha adversária tinha vantagem sobre mim. Ela utilizou dois recursos que eu também teria usado, se representantes da empresa não tivessem dito que era contra as regras.

- Isso foi esclarecido depois. Quem ler até o final vai entender. 

Intensifiquei minha campanha e, mesmo tendo sido aconselhada a trapacear, me mantive firme e justa. Foi uma decisão tomada por mim e pelos meus seguidores. No fim, pedi que parassem, pois todos estavam exaustos e aprendi que não se dá muro em ponta de faca. Fiz o que pude. 

O resultado saiu e anunciaram a outra candidata como vencedora. Ficamos arrasados, mas respirei fundo e reivindiquei, pois me senti prejudicada com a informação que obtive com a marca. Poxa! Nós tentamos ganhar na raça, e não era justo perder desse jeito. Uma moça da loja chegou a dizer que quem não sabe perder não merece ganhar. E, agora, respondo:

- Se eu perder por falta de coragem ou por preguiça de lutar, aceito a condição. Aceito a derrota, desde que seja uma disputa justa. E não é justo que duas pessoas lutem quando apenas uma está armada. Concordam??

Mais uma vez entrei em contato com a marca, para explicar o que aconteceu. Tinha provas de que me deram informações erradas, que prejudicaram meu desempenho. Eles me ouviram com educação, entenderam minha queixa e reconheceram que foi apenas uma falha na comunicação. Pediram desculpas e decidiram que o correto seria eleger as duas como vencedoras, em reconhecimento de todo esforço. Recebi o mesmo prêmio e, na hora, senti um pouco de alívio. Só que hoje ainda me sinto meio impotente, sabe?! Sei que a loja quis se retratar, mas não achei que isso ficou tão claro. Enfim.. Passou!


Moral da história:

Da próxima vez, não farei questão de nada. Embora seja muito fã da marca, que inclusive tem produtos maravilhosos, algumas coisas no concurso deixaram a desejar. E aprendi uma coisa na vida...


- Quando uma coisa é importante pra você, só existe uma maneira de proteger ou conquistar. Dando seu sangue!

Se ganhar, comemore. Se perder, aprimore.


'Amanda Nascimento