Medo de agulhas


Eu não sei você, mas eu morro de medo de agulhas. Não é medo da dor. Sério... eu passo mal de verdade. Pior que não sei explicar. No fundo eu sei que é uma dor pequena e suportável, mas talvez meus instintos exagerados já estejam acostumados com o drama, aí não tem jeito. Eu desespero. 

Essa noite fui à farmácia comprar uns medicamentos [pausa dramática]... 
- Jura?! Achei que cê ia comprar pão😱

[retorna]
Quando me dei conta de que a medicação era injetável, meu coração quis acelerar, mas acabou fazendo o contrário. O sangue parece que não circulava mais. Aliás, não sei pra onde ele foi, porque me olhei no espelho e vi a palidez do meu rosto se espalhando pelo corpo todo. Senti minhas mãos congelarem, e algumas náuseas me engasgavam aos poucos. Foi um negócio muito louco. E só pra contar... EU NÃO USO DORGAS 👌🏼

Toda vez que preciso tomar injeção é a mesma novela. Eu chego toda amostrada, como de costume, mas por dentro fico numa discussão seríssima comigo mesma, tentando me convencer de que tudo vai ficar bem. Afinal, não há o que temer, é só uma picadinha né ?! 
- Não!

Minha avó sempre dizia que uma pessoa só era valente até achar outra mais valente que ela. Aí a brabeza sumia ligeiro. Isso resume minha relação com agulhas. Eu chego toda confiante, mas volto pra casa mufina, parecendo aqueles cachorrinhos de rua quando é dia de chuva. Cara, admiro demais essas pessoas que doam sangue. De verdade. Continuem! Porque o mundo precisa de mais seres corajosos como vocês. Eu lembro de quando eu tinha uns 12 ou 13 anos (talvez mais) e minha mãe me levou pra fazer exame de sangue. Esse foi o dia mais tranquilo da minha vida, porque eu desmaiei antes de ver a agulha me furar. E não tô brincando. Eu desmaiei de verdade. Inclusive, quero dizer que não me importaria se isso acontecesse mais vezes. É mesmo necessário estar acordada em situações como essa??

Agora se você me perguntar o que isso vai mudar na sua vida, vou te dar a resposta de sempre: NADA!

É só mais uma besteira do meu cotidiano, que eu queria dividir com vocês, só pra saber se tem mais gente assim, estranha e medrosa. Tipo eu. 

'Amanda Nascimento 

Postar um comentário