Quem é você?

Um dia [não muito distante de hoje] me decepcionei com uma das pessoas que mais admirava. Alguém que me fazia sentir privilegiada por cultivar uma amizade e trocar conversas em algum dia aleatório.
Foi numa dessas conversas que minha ficha caiu. Caiu feio e foi longe. Despencou levando junto tudo que construí sobre aquela pessoa que, pra mim, era diferente das outras. Um referencial.
Se você leu até aqui, deve estar se perguntando o motivo dessa revelação. E eu te respondo: falo isso para mostrar que às vezes a gente atribui valor demais às coisas e/ou pessoas. Ninguém é tão perfeito a ponto de jamais cometer um erro. E nada nessa vida vai ser perfeito, sempre vai existir uma visão mais crítica e exigente a respeito de qualquer coisa.
O que eu quero explicar, é que muitas vezes criamos nossos próprios deuses, na sede inconsciente de seguir um referencial, como uma necessidade preguiçosa de seguir um modelo. E a gente não precisa disso. É bom ter referenciais, mas não é saudável nos limitarmos a ele.
Pare de se vislumbrar com a capacidade alheia só por um instante, e reconheça EM VOCÊ habilidades que podem te levar além do que você admira. De repente, você pode mostrar que é diferente do que já existe, e pode mostrar o quanto isso te faz especial.
O único ser imaculado, é digno de ser seguido e imitado [na minha crença] é Deus. Esta é minha humilde opinião, e você tem o direito e crer ou não. Se Deus deu o livre arrasta [na minha crença] quem sou eu para tirá-la de alguém??
Mas uma coisa é certa. Nenhum ser humano é perfeito. Sendo assim, nenhum é superior. Nenhum é imbatível. E você pode ser x próximx a ultrapassar os limites. Seja o melhor no que você escolher ser. Seja capaz de melhor o ambiente onde você estiver, e mostre quem você é.

P.s. X = ele ou ela. Ex.: Elx


‘Amanda Sorráby

Postar um comentário